Home » Notícias » CPI é arquivada em São Pedro, RJ, após pedido de cassação do prefeito

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

chumbinhoRelator da CPI da Saúde disse haver poucas chances de fraudes. Em relatório paralelo, presidente da CPI pediu cassação nesta quinta (10).

A CPI da Saúde de São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio, foi arquivada nesta sexta-feira (11) após o relatório final ser apresentado pelo vereador Adalberto Amaral, que foi o relator da CPI e é líder do governo na Câmara. Na quinta (10) um relatório paralelo foi apresentado pelo presidente da CPI, vereador José Marins, sugerindo a cassação do prefeito Cláudio Chumbinho por suposto envolvimento em fraudes licitatórias nas compras de remédios.

De acordo com o relatório de Adalberto Amaral, existem “poucas chances” de ter havido fraudes em processos de licitação na compra de medicamentos, já que todos os documentos passaram pela análise do tribunal de contas do estado.

“Depende também da qualidade do medicamento. Se esse medicamento é nacional ou não. Se é facilmente adquirido aqui na nossa rede ou não. Eu não posso dizer que houve crime. Acho que isso tem que ser melhor verificado. Eu não vi, na maioria dos detalhes, condições de inicrimar o prefeito atual, o Cláudio Chumbinho, já  que é uma situação que tem que ser melhor verificada”, disse o vereador Adalberto.

Entre as situações apresentadas no relatório paralelo divulgado nesta quinta-feira (10) está o aumento dos gastos na compra de remédios, que teve um aumento de mais de 100% entre 2013 e 2014. A Prefeitura diz que é reflexo do investimento na saúde, mas a população reclama de falta de medicamentos.

Três dos dois integrantes da comissão votaram pelo arquivamento do processo. As investigações da CPI começaram em junho deste ano, depois que vereadores receberam denúncias de moradores sobre a falta de medicamentos nos postos de saúde da cidade.

Relatório do presidente
O relatório oficial foi questionado pelo presidente da CPI, o vereador José Martins. Ele apresentou um relatório paralelo, que mostra irregularidades na saúde, entre elas a compra de medicamentos com preços supostamente superfaturados.O relatório paralelo pediu ao Ministério Público o afastamento do prefeito Cláudio Chumbinho.

Segundo as investigações, a Prefeitura de São Pedro da Aldeia gastou cerca de R$ 1,7 milhão para a compra de remédios em 2013. Em 2014, esse gasto foi de R$ 4,5 milhões. Para o presidente, houve superfaturamento.

Prefeitura se defende
O advogado do prefeito, Carlos Magno, falou sobre os gastos do município com a compra de remédios ter aumentado em mais de 100% de 2013 para 2014.

“Investimento. Comprou-se mais. Investiu-se mais na saúde, não obstante à crise que assola o país […] Afirmar que tá faltando ou não tá faltando é muito instável nesse momento. Há reclamações da população”, declarou o advogado.

Sobre a crítica feita no relatório pararelo de que o ex- presidente da organização social que administra o pronto-socorro ser o atual secretário municipal de Saúde, o advogado Carlos Magno disse que é uma situação legítima, já que ele é um bom gestor. O Ministério Público informou que não recebeu nenhuma denúncia sobre a saúde em São Pedro da Aldeia.

Fonte: G1 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail


Categorias