Home » Notícias » Brasil » Rio de Janeiro » Região dos Lagos » Araruama » GRAVES CRIMES A CÉU ABERTO – A VIOLÊNCIA QUE NINGUÉM VÊ. | Anderson Vidal

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

a

Foto do valão em Itaperuna, urubus se alimentam de dejetos em uma valorizada região da cidade

Por conta do meu trabalho e estudos, sempre passei por muitos municípios. Ultimamente tenho conhecido mais o norte do Estado do RJ e percebi que lá graves crimes ocorrem a céu aberto na cidade de Itaperuna, da mesma forma como em Municípios que conheço há muito mais tempo, como Araruama.

Nós, seres humanos, certamente somos uma espécie extremamente negligente quando se trata de determinados tipos de crimes. Somos seletivos quanto ao que se indignar.Revoltamo-nos com uns, mas fechamos os olhos para outros, ainda que estes sejam esfregados cotidianamente na nossa cara e ainda que tragam um alto prejuízo social.

Não estamos falando de pequenos delitos, mas sim daqueles que colocam em risco a SOBREVIVÊNCIA DA ESPÉCIE HUMANA. O crime de homicídio, embora seja bárbaro, não representa hoje uma ameaça tão real à humanidade quanto os crimes ambientais.

Especificamente, me refiro ao lançamento de esgoto puro e sem tratamento nas redes pluviais (in natura).

Segundo estatísticas do IBGE, no ano de 2000 47,8% dos municípios brasileiros não tinham serviços de esgotamento sanitário e 44,7% dos domicílios não estavam ligados à rede coletora, sendo o esgoto a céu aberto considerado como um dos MAIORES PROBLEMAS AMBIENTAIS e de saúde pública do país.

Ademais, uma das conseqüências mais dramáticas do saneamento deficiente é a mortalidade infantil de crianças com até um ano de idade.

O crime de lançamento de esgoto está previsto no artigo 54, da Lei 9.605/98, que assim dispõe:

“Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:

Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa”

Infelizmente as autoridades dos Municípios e o pior, os próprios cidadãos não se dão conta da gravidade do problema. As pessoas não se mobilizam, não cobram dos vereadores (a quem incumbe fiscalizar) e Prefeitos, não vão ao Ministério Público exigir tomada de providências.

Da minha parte eu já até organizei um grupo na cidade de Araruama para ir ao Ministério Público, protocolamos formalmente um pedido para que parem de jogar esgoto em nossa lagoa e rio. Mas nada acontece e vemos, com muita tristeza, nosso patrimônio natural, nossa saúde e nossa dignidade humana sendo deteriorada por águas negras, tóxicas e infernais.

E quando tem enchente? Essa água pútrida entra em nossas casas. Ninguém faz nada de concreto! A maioria não reclama!!!

A situação de Itaperuna é CHOCANTE . Aquele valão a céu aberto é um escárnio, uma bofetada na cara. Um cheiro de embrulhar o estômago e dezenas de urubus se alimentando de dejetos em plena região central da cidade, que, curiosamente, é valorizada pela especulação imobiliária.

É um cenário de filme de terror, como podemos ver nas fotos.

bFoto do valão de Itaperuna, onde urubus contemplam o espaço com a área urbanizada da cidade

cFoto do Rio Mataruna, em Araruama, onde uma belíssima e rara espécie de ave contempla, entristecida, o estado pútrido das águas

Em 2010 encaminhado foi ao MPF um convênio assinado entre a CEDAE e a Prefeitura de Itaperuna, no qual seriam investidos cerca de R$ 59.900.000,00 para “resolver o problema”. Foi resolvido? NÃO.

De lá para cá, 6 anos após e investidos aproximadamente 60 MILHÕES o que mudou? As fotos que tirei são de 09 de março de 2016!!!Os cidadãos exigiram a prestação de contas???

Se nada for feito, dentre alguns anos – talvez 100 anos, talvez 10 – seremos a única espécie do planeta a involuir.

Regrediremos geneticamente a forma de URUBUS, se alimentando e se deleitando com os nossos próprios dejetos.

 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail


Categorias