Home » Notícias » Brasil » Rio de Janeiro » Região dos Lagos » Araruama » Marcia Jeovani “rasga” regimento da ALERJ e boicota CPI dos Transportes

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Manobras ilegais são adotadas para barrar a CPI da máfia dos transportes.

Frente a um cenário de caos no transporte urbano e no governo em geral, falta de transparência nas contas, com o ex-governador Sérgio Cabral e o empresário Jacob Barata presos e sofrendo inúmeras denúncias relacionadas com a Fetranspor (dentre outras), a bancada do PSOL mais uma vez tentou a abertura de uma CPI para investigar minuciosamente as relações espúrias que surgem constantemente em delações e documentos que indicam a suspeição de pagamentos em troca de favores.

Na terça-feira, dia 01 de agosto, o requerimento para a abertura da CPI contava com 27 assinaturas quando foi apresentada à Mesa da presidência da ALERJ pelo deputado Marcelo Freixo, mas todo o esforço de convencimento de alguns deputados distantes do interesse público não foi suficiente para superar a pressão que os mesmos sofreram das esferas que não se beneficiam com as investigações. Através de uma manobra ilegal, 6 dos deputados infringiram, com o aval e cumplicidade do presidente em exercício André Ceciliano, o §7 do art 84 ° do regimento interno da ALERJ, onde é claramente expressa a proibição da retirada de assinaturas após a apresentação do requerimento da CPI, deixando clara as suas alianças e comprometimento. Um desses deputados volúveis é Marcia Jeovani (DEM), acompanhada de Luiz Martins (PDT), Jorge Felippe Neto (DEM), Jânio Mendes (PDT), Zaqueu Teixeira (PDT) e Milton Rangel (DEM).

Art. 84
§ 7º. Nos casos em que as assinaturas de uma proposição sejam
necessárias ao seu trâmite, não poderão ser retiradas ou acrescentadas
após a respectiva publicação ou, em se tratando de requerimento, depois
de sua apresentação à Mesa.

O presidente em exercício da Câmara (André Ceciliano) abafou o caso por alguns dias se respaldando no prazo de 5 dias para a checagem das assinaturas e publicação no diário oficial, utilizado para pressionar alguns deputados a retirarem ilegalmente as suas assinaturas e boicotar a CPI. André Ceciliano tenta ainda confundir o espectador da sessão utilizando a leitura do § 8 do mesmo artigo que não diz sobre a retirada de assinatura, mas sobre a necessidade de possuir 1/3 das assinaturas dos deputados para abertura do processo, requisito devidamente contemplado. Todo esse procedimento acontece de forma tão obscura que a divulgação da retirada das assinaturas só chega aos propositores da CPI pelos meios de comunicação, antes da própria casa legislativa informá-los.

A ONG Meu RIO entrou na briga criando um formulário online para pressionar os deputados que retiraram a assinatura para a implantação da CPI da máfia dos transportes. Basta colocar o nome e e-mail, que a mensagem vai direto para a caixa de e-mails do deputado.

Pelo site, os interessados podem mandar um e-mail para os deputados Luiz Martins (PDT), Jorge Felippe Neto (DEM), Marcia Jeovani (DEM), Jânio Mendes (PDT), Zaqueu Teixeira (PDT) e Milton Rangel (DEM).

O acesso ao site pode ser feito pelo site cpidafetranspor.meurio.org.br (link no final)

Abaixo você pode assistir as gravações do esforço do deputado Marcelo Freixo para aprovar a CPI da máfia dos transportes na ALERJ e as manobras ilegais adotadas pelo presidente em exercício da casa.

PSOL protocola pedido de abertura da CPI dos Transportes 02/08/17

Governistas tentam sabotar CPI dos Ônibus na Alerj – 08/08/17

ILEGALIDADE: deputados governistas manobram para sabotar CPI dos Ônibus 09/08/17

Reportagem do SBT Rio sobre a CPI dos Ônibus exibida no dia 10/08/17.

PRESSIONE OS DEPUTADOS AQUI:
https://www.cpidafetranspor.meurio.org.br/

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail


Categorias