Home » Notícias » Brasil » Rio de Janeiro » Região dos Lagos » Cabo Frio » Mesmo proibida, queima de fogos começa a ser montada em Cabo Frio

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

MB085E3Organização para festa Réveillon segue mesmo com proibição da Justiça. Prefeitura vai recorrer da ação que impede show da virada na cidade.

Começou neste sábado (26) a montagem das balsas para serem usadas na queima de fogos no Réveillon de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio. Os prepartivos ocorrem mesmo com a proibição da Justiça para os eventos da virada. Segundo informações da Guarda Marítima, o cronograma previsto foi mantido já que a Prefeitura informou que vai recorrer da decisão judicial.

As balsas já estão na Praia do Forte e serão levadas em seguida para o Canal do Itajurú, onde serão montadas em frente ao Terminal de Transatlânticos. Serão duas balsas na Praia do Forte e outra no 2º distrito, Tamoios. Não há previsão de queima de fogos na Praia do Peró, ao contrário do que ocorreu em anos anteriores.

De acordo com a Prefeitura da cidade, a queima de fogos e os shows musicais da virada serão pagos pela iniciativa privada, através de uma parceria com uma rede atacadista que ainda vai se instalar na cidade. A Justiça proibiu o espetáculo após uma denúncia do Ministério Público sobre a falta de liberação de alvarás do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Polícia Civil.

“Para realização de qualquer evento, há a necessidade de autorização dos órgãos públicos responsáveis pela segurança. Nesse caso seriam o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e também a Delegacia de Polícia. Nós entramos em contato com esses órgãos e não havia sido feita a solicitação pelo município de autorização para a realização desse evento, o que coloca em risco a segurança das pessoas que vão participar porque, normalmente, são eventos que tendem a atrair uma quantidade muito grande de pessoas. Em caso de aglomeração, é necessário que esses órgãos estejam equipados, estejam preparados, que saibam quantas pessoas vão participar desses eventos”, disse a promotora de Justiça Vânia Cirne Manhães.

Fechamento da UPA preocupa
Segundo Vânia Cirne, o Corpo de Bombeiros chegou a enviar um ofício pedindo informações ao município, mas o documento não foi respondido.

“O Corpo de Bombeiros fez um ofício solicitando essa informação ao município, se haveria algum evento comemorativo do Réveillon e o município não respondeu. Até ontem o município não tinha respondido. O comandate do batalhão do Corpo de Bombeiros veio falar comigo sobre isso, sobre a preocupação dele por conta justamente dessa possiblidade de haver aglomeração de pessoas e sem inclusive ter previsão de atendimento médico em caso de acidente”, disse ainda a promotora, completando:

“Nosso medo é que haja pessoas passando mal, que haja brigas, haja até mesmo feridas decorrentes de qualquer evento que aconteça ali, e não haja equipe para atender essas pessoas, pensando na seguinte questão: a UPA daqui do município está fechada. Então em caso de qualquer emergência, os Bombeiros teriam que tentar retirar essas pessos e levar até o HCE, que seria o hospital mais próximo e que ainda assim já não é próximo desses eventos. Levando em conta que a mobilidade do município fica muito prejudicada nessas festas, o trânsito fica parado, há uma movimentação de pessoas muito grande, então o deslocamento seria muito difícil, o que pode representar a vida ou a morte em algumas situações”.

Fonte: G1

Leia também:

Bandas locais e duas toneladas de fogos na virada de ano em Araruama

CABO FRIO

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail


Categorias