Home » CARNAVAL 2016 » Motoristas demoram oito horas para chegar à Região dos Lagos no Rio 

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail
via lagosOs motoristas que deixam o Rio pela manhã de ontem (6) em direção às praias da Região dos Lagos encontraram trânsito bom, sem congestionamentos na Ponte Rio-Niterói. Os 13 quilômetros (km) de extensão até o sentido Niterói os motoristas levam em média 13 minutos.

O problema maior que o motorista enfrentou foi depois que atravessou a ponte e chegou ao bairro de Niterói. Ao entrar na BR-101 Norte, que liga Niterói até a divisa com o Espírito Santo, o fluxo de veículos era intenso. O motorista enfrentou 20 km de engarrafamento até chegar a Itaboraí, na região metropolitana do Rio. Outro trecho da rodovia que estava com tráfego praticamente parado é Rio Bonito, onde há 28 km de congestionamento. No total, o motorista enfrentou 48 km de tráfego praticamente parado. Uma viagem do Rio a Cabo Frio, na Região dos Lagos, que, em média, leva duas horas e meia, foi feito em  mais de 8 horas.

A Capitania dos Portos do Rio de Janeiro intensificou, a partir de ontem e durante todo Carnaval, as ações de fiscalização nas praias do Rio de Janeiro e Niterói, região metropolitana.

A Capitania vai apoiará o pedido da Guarda Municipal de Niterói para ações conjuntas, que também contarão com o Corpo de Bombeiros Militar, na Lagoa de Itaipu e nas praias oceânicas do município. Na área da Barra da Tijuca, na capital fluminense, a Capitania atuará em parceria com o Comando de Polícia Ambiental da Polícia Militar. Ao todo, serão cerca de 50 militares envolvidos na operação.

O objetivo dessas ações de fiscalização é coibir infrações que possam colocar em risco a segurança dos banhistas que estarão nas praias das duas cidades, durante um período de movimentação intensa de embarcações de esporte e recreio.

Os principais aspectos verificados nas inspeções são: habilitação dos condutores, documentação, material de salvatagem (coletes e boias), extintores de incêndio, luzes de navegação, lotação e estado de conservação.

Fonte: Douglas Correa – Repórter da Agência Brasil

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail


Categorias