Home » Notícias » Brasil » Rio de Janeiro » Região dos Lagos » Araruama » SUSPEITO DE TENTATIVA DE HOMICÍDIO CONTRA JÉSSICA É PRESO EM ARARUAMA

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Fabio Barreto da Silva, acusado de tentar asfixiar e atear fogo na Jéssica Dime, travesti de 23 anos, em São Gonçalo, se entregou nesta segunda-feira (14) na delegacia de Araruama (118ª DP). O crime ocorreu na última sexta-feira em um hotel de Alcântara, uma semana após o agressor deixar o sistema prisional (preso por envolvimento com tráfico de drogas). Contra ele já havia mandado de evasão do sistema prisional. Segundo informações da delegada Carla Tavares, da 74ª DP (Alcântara), o agressor será apresentado hoje, às 14h, na 73ª DP (Neves).

Alef Pereira ou Jéssica Dime, como a vítima se apresentava antes de sofrer o ataque, teve cerca de 50% de seu corpo queimado e permanece internada no Hospital estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio. O crime, tratado como transfobia, ocorreu no mesmo município na madrugada de 28 de julho passado e chocou a comunidade. Ela segue internada no Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubande. Segundo a Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais), 115 pessoas transexuais foram assassinadas no Brasil, vítimas do preconceito, somente neste ano.

Travesti foi vítima de uma tentativa de homicídio motivada por transfobia

Na madrugada daquele dia, os envolvidos se encontraram para um programa em um hotel na região de Alcântara, em São Gonçalo. De acordo com os relatos à polícia, o suspeito deixou o local por um tempo para comprar bebidas, retornando em seguida. Horas depois, após tentar asfixiar Jéssica e deixá-la desacordada, ele ateou fogo no quarto e no tecido com o qual a envolveu – usando uma bebida alcoólica que havia comprado – e trancou a porta com a vítima dentro do cômodo.

O nome do homem identificado como agressor foi divulgado na última sexta-feira pela Polícia Civil. Ao falar sobre o ataque sofrido, a vítima afirmou que a travesti Jéssica – forma como ele se apresentava para ganhar dinheiro, explicou – morreu simbolicamente naquele quarto.

Fonte: Extra

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail


Categorias