Home » Notícias » Brasil » Rio de Janeiro » Região dos Lagos » Cabo Frio » UPA de Cabo Frio fica abandonada após transferência de serviços

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Faltam móveis e computadores na unidade do Parque Burle, no RJ. Justiça determinou que UPA permaneça aberta até fevereiro.

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Parque Burle, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, está em estado de abandono após a transferência da maior parte dos serviços para o Hospital Central de Emergência. A mudança, feita pela Prefeitura, deixou poucos móveis, quase nenhum computador e um número reduzido de médicos e enfermeiros atendendo na unidade.

Cartazes nas portas informam que os atendimentos pediátricos acontecem apenas no Hospital da Criança e no de Jardim Esperança. As emergências são atendidas apenas no HCE.

De acordo com acompanhantes de pacientes que estavam na unidade na manhã desta segunda-feira, pelo menos quatro pessoas ainda estão internadas na unidade aguardando transferência. Eles disseram apenas que o atendimento a esses pacientes internados está sendo feito, mas uma das acompanhantes informou que não viu médico na unidade, apenas enfermeiros.

“Quando eu vi o pátio vazio já me espantou porque eu sabia que alguma coisa de errado estava acontecendo. A gente fica nessa, com filho, preocupado ‘pra lá e pra cá’. Já viemos de um hospital onde não tem médico para outro onde não tem também. Vamos pra um com esperança que tenha”, comentou o eletricista André Ferreira.

A unidade continua funcionando por ordem da Justiça, que decidiu que a UPA só pode ser completamente fechada em fevereiro de 2016. Em caso de descumprimento da ordem, o município está sujeito a multa de R$ 100 mil por dia.

O fechamento da UPA foi proibido no início de dezembro, depois que a Prefeitura de sinalizou a falta de recursos pra manter o serviço e anunciou que devolveria a administração para o estado. O governo estadual recusou a devolução também alegando falta de recursos.

Suspensão dos shows do Réveillon
O funcionamento reduzido da UPA foi uma das questões apontadas pelo Ministério Público para que os shows musicais e de fogos não aconteçam no Réveillon de Cabo Frio. Para o MP, o funcionamento parcial pode comprometer os atendimentos de saúde durante esta semana que a cidade recebe milhares de turistas. A Justiça determinou a suspensão dos eventos, mas a Prefeitura informou que vai entrar com um recurso e já começou a montagem das balsas responsáveis pela queima de fogos.

Funcionamento do HCE
A Prefeitura de Cabo Frio reabriu o HCE, em São Cristóvão, alegando que os custos de manutenção seriam menores. Mas, na unidade, alguns pacientes também reclamam. De acordo com a dona de casa Joseane Nascimento, seu sogro está com suspeita de tuberculose e espera o resultado dos exames desde o último sábado (26).

“Um médico já deu um laudo pra ele se internar e chegou aqui falaram que não é aqui. Arrumamos um ‘barraco’ porque pra ser atendido precisa de um ‘barraco’. Eles foram e colocaram ele lá pra dentro e mandaram ele renovar os exames, aí estamos esperando. Ele está em uma cadeira de rodas porque falaram que não podem colocar ele em uma cama. Ele tem 72 anos e não tem condições dele ficar sentado”, contou a moradora.

Ainda segundo Josiane, pela manhã, havia fila para atendimento na unidade e o hospital só abriu por volta das 9h da manhã.

A Prefeitura da cidade ainda não deu nenhuma declaração sobre os problemas no atendimento apontados.

Leia também: Notícias da Região dos Lagos

Fonte: G1ScreenShot001

Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail


Categorias